Especialidades

Médicos

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    

Odontologia

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

Psicologia

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

Fisioterapia

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

    
    

Artigo

ESPORÃO OU FASCITE PLANTAR?

A fascite plantar (FP) é umas das doenças ortopédicas mais comuns , de cada 10 pessoas que você conhece 01 tem, teve ou terá a FP – talvez você mesmo! Vamos tentar esclarecer algumas coisas sobre essa doença para ajudar no seu tratamento.

FASCITE PLANTAR E ESPORÃO SÃO A MESMA COISA?

Sim e não, O que chamam de esporão é uma ponta de osso embaixo do osso calcâneo e sua imagem que aparece no Rx do pé. Por incrível que pareça tem gente que tem o esporão e não tem dor e tem gente que tem a dor mas não tem esporão! O que isso quer dizer? NÃO É A PONTA DE OSSO EMBAIXO DO PÉ QUE CAUSA A DOR. O que dói são umas cordinhas que temos embaixo dos nossos pés que chamamos de fáscia plantar. Chamamos de fascite plantar a doença em si.

COMO É ESSA DOENÇA? O QUE A PESSOA SENTE?

A queixa mais comum é de uma dor tipo pontada na região do calcanhar, muito aguda (alguns pacientes dizem que é como se uma pedra ou prego estivesse embaixo do pé). Mais comum quando o paciente sai da cama pela manhã – primeira pisada, ou quando está sentado muito tempo e levanta-se. Geralmente após alguns passos a dor alivia. Outra queixa comum é dor no final do dia.

A queixa pode variar, por exemplo, pode doer outras regiões da planta do pé, ou em corredores cuja dor pode surgir durante ou logo após o treino.

A Fáscia Plantar funciona como um mola ou amortecedor natural de nossos pés, absorvendo o impacto de cada pisada. Outra função importante dela é ajudar a manter a cava do pé.

QUEM TEM MAIS CHANCE DE TER FASCITE PLANTAR?

Como a fáscia plantar é um tipo de amortecedor que temos embaixo dos nossos pés, tudo que aumente a tensão nela ajuda no começo dos sintomas.

- Pessoas com Índice de Massa Corporal (IMC) maior que 30

- Atletas que sobrecarregam no treino

- Pessoas que tem os músculos e tendões da panturrilha (batata da perna) encurtados.

- Pacientes que passam longos períodos em pé.

- Idade mais avançada.

-Calçados inadequados.

-Doenças reumáticas

- Associação dos fatores acima.

COMO É O TRATAMENTO?

A primeira coisa que você tem que saber é que tem cura, muitos pacientes chegam no consultório acreditando que não existe cura para sua doença, querem no máximo ficar melhor. Lógico que em medicina não existem certezas, nem garantias de cura, mas posso afirmar que a imensa maioria, imensa mesmo, Ficam curados e sem sentir dor. O tratamento é demorando e exige persistência, paciência e colaboração do paciente.

Existem várias modalidades de tratamento:

- FISIOTERAPIA

- Palmilha de suporte de arco plantar e calcanheiras.

- Órtese noturna.

- Infiltração com corticoide local.

- Terapia de Onda de choque.

- Cirurgia

Vamos detalhas cada uma...

FISIOTERAPIA

Ao meu ver, baseando-me na literatura cientifica e na minha experiência, é o principal tratamento. Um bom fisioterapeuta irá trabalhar os fatores que pode estar levando cada paciente a ter os sintomas. Além das medidas de analgesia e anti-inflamatórias, o fisioterapeuta ira provavelmente trabalhar com o alongamento dos músculos da panturrilha e da fáscia plantar, além dos grupos da parte de trás da coxa.

PALMILHAS E CALCANHEIRAS

Olhe para imagem do pé de lado ai da parte de cima deste texto. Observe que a fáscia funciona como a corda de um arco. Ajudando a manter a cava do pé.

Quando colocamos uma palmilha ele ajuda a alongar a fáscia plantar e ao mesmo tempo ajuda a realizar uma das tarefas delas, segurar a cava do pé pois ela fornece um suporte para a mesma.

A calcanheira relaxa a fáscia plantar elevando a região do calcanhar, funciona do mesmo jeito que um salto alto, além de prover um melhor amortecimento para região do calcâneo. O problema é que ela trabalha, assim como o salto alto, encurtando a fáscia, coisa que não é desejável. Geralmente alivia a dor no dia-dia.

ÓRTESE NOTURNA

É um parelho para alongar o tríceps sural e fáscia plantar enquanto dormimos, mantendo o tornozelo em uma posição próxima a 90 graus. Pense nisto, o fisioterapeuta passa um bom tempo alongando a fáscia plantar e sua panturrilha mas nós passamos 08 horas, enquanto dormimos, encurtando devido a posição que o pé fica quando relaxado.

ALONGAMENTOS

As vezes conseguimos um bom resultado, com melhora completa da dor apenas com simples alongamentos que podemos fazer em casa. ATENÇÃO: ISSO EXIGE DISCIPLINA E PACIÊNCIA. Vamos mostrar alguns exemplos simples de serem repetidos em casa.

INFILTRAÇÃO COM CORTICÓIDE

É comum quando você falar para alguém que tem a doença esporão, a pessoa falar logo – Mas por que o doutor não deu logo a injeção no pé ???

Vamos explicar por que essa é uma modalidade terapêutica que nem todo médico gosta de utilizar. Primeiro essa injeção ou infiltração é feita com corticoide e não é isenta de efeitos colaterais, não só sistêmicos (que afetam o corpo todo como aumento da pressão ou da glicemia ) mas também no local da aplicação que é próxima ao osso calcâneo.

ONDAS DE CHOQUE

É um método interessante e bastante efetivo, segundo a literatura cientifica, o índice de cura pode chegar a 90% dos casos. Não se trata de choque elétrico, mas sim choque mecânico. Geralmente é um método caro mas bem mais rápido que os outros listados acima. Pode ser um pouco doloroso também.

CIRURGIA

Quando nenhum dos métodos destes dos quais falamos funcionou partimos para o procedimento cirúrgico. Estamos falando de aproximadamente 01 caso em 1000! Muito raro. Geralmente a cirurgia é um corte na fáscia plantar ( em cerca de 2/3 da sua largura) e não mexer no esporão, lembre-se que ele não é a causa da dor. Nem sempre a cirurgia é bem sucedida e poderá haver algum outro procedimento adicional. Deve-se esperar também algumas alterações na pisada com um pouco de queda do arco plantar.

Enviado por: Dr(a). André Luiz Rocha de Souza, Médico
Data: 30/03/2016
:: Copyright © 2009. Sergipe Saúde. Todos os direitos reservados :::::: Administrador Senha